Interação entre crianças e cachorros: é possível manter uma rotina segura?

A interação entre crianças e cachorros é extremamente benéfica para o desenvolvimento dos pequenos.

É uma forma de ensinar desde cedo sobre os cuidados que se deve ter com outra vida, responsabilidade e, acima de tudo, amor!

Existem estudos que dizem até que o convívio entre os dois pode melhorar quadros alérgicos nos pequenos.

Quer saber mais sobre os cuidados necessários para promover uma interação entre crianças e cachorros de forma segura e saudável? Então confira o que preparamos para você!

Qual a idade ideal para a interação entre crianças e cachorros?

Não existe uma idade certa para começar a interação entre crianças e cachorros.

Muitas vezes, quando ela nasce, o cão já está na família, então, o contato acontece desde muito cedo. E não tem problema!

É a partir dos 5 anos que ela começa a ter mais noção sobre os cuidados com outra vida e que brincadeiras mais bruscas podem machucar.

Quando a criança é muito nova ela não tem noção sobre a força e os tipos de brincadeiras, o que pode resultar no cão machucado — que, por consequência da defesa natural dos animais, pode morder, inclusive.

Portanto, se for adotar um cachorro, espere até que seu filho tenha, pelo menos, 5 anos.

Caso já tenha um cachorro e esteja prestes a receber um neném na família, não abandone o pet, mas fique de olho nas brincadeiras.

Com os cuidados certos, a interação entre crianças e cachorros é muito positiva!

Quais cuidados tomar quando se trata da interação entre crianças e cachorros?

Para garantir uma interação entre crianças e cachorros saudável é necessário estar atento a alguns pontos.

Manter a higiene

Tenha sempre em mente que tanto o cachorro quanto seu filho não tem noção sobre as coisas que tocam e colocam na boca.

Por isso, mantenha o cão sempre limpo, de banho tomado e sempre supervisione a interação entre os dois.

Manter a vacina de ambos em dia

Para que a interação entre crianças e cachorros aconteça de forma saudável é necessário que a vacinação e a vermifugação de ambos esteja em dia.

Leve sempre o cão ao veterinário e consulte o pediatra sobre possíveis dúvidas que venham a surgir.

Os profissionais são sempre as melhores pessoas para orientar em relação às dúvidas.

Atente-se aos sinais

É importante ensinar desde cedo para os pequenos que os animais também sentem dor, desconforto e que é necessário respeitar momentos como o da alimentação.

Alguns cães podem ficar agressivos se interrompidos na hora que estão comendo. 

Então fique sempre atento à forma como o cão está se comportando e coloque limites na criança desde cedo para respeitar o animal.

Não os deixe sozinhos!

Esse ponto é de extrema importância, pois, mesmo que o animal tenha um temperamento dócil, os dogs podem ser imprevisíveis às vezes.

As crianças não têm muita noção sobre força e podem acabar machucando o cachorro em algum momento, que provavelmente se defenderia com uma mordida.

Por isso, sempre (sempre!) supervisione o contato entre os dois.
Gostou de saber mais sobre interação entre crianças e cachorros? Então aproveite para conferir nosso post sobre raças de cachorros pequenos!