Com quantos dias pode separar o filhote da mãe?

Uma das maiores dúvidas dos tutores é sobre com quantos dias pode separar o filhote da mãe após o nascimento.

Afinal, esse primeiro momento é primordial para que o recém-nascido se alimente adequadamente para ganhar peso e absorver todos os nutrientes necessários.

Assim como os humanos, esse processo, além de garantir um crescimento saudável, ainda evita o surgimento de diversos tipos de doenças.

Por isso, continue lendo e descubra com quantos dias pode separar o filhote da mãe e porque é tão importante respeitar esse tempo.

Afinal, com quantos dias pode separar o filhote da mãe?

Existem muitos animais que já nascem independentes e prontos para o mundo, sem precisar do auxílio e cuidado da mãe na fase inicial.

Contudo, assim como a espécie humana, essa não é a realidade dos pets, como cães e gatos, que dependem totalmente do cuidado de terceiros para poderem sobreviver.

Saber com quantos dias pode separar o filhote da mãe é essencial para garantir que não haja desmame precoce, o que pode prejudicar o desenvolvimento do peludo.

Vale lembrar ainda que os cães nascem sem dentes, tornando inviável ingerir qualquer alimento sólido.

Por isso, a alimentação deve ser baseada exclusivamente no leite materno, a não ser que haja orientação do médico veterinário para entrar com suplemento.

O desmame costuma acontecer naturalmente entre a quarta e sétima semana de vida, que é quando os dentes já estão formados e começam a machucar a mãe.

Ela começa a se separar aos poucos dos filhotes até que o desmame aconteça completamente.

O ideal é que se espere pelo menos 60 dias para que seja feita a separação, respeitando o desenvolvimento natural e garantindo a saúde dos pequenos.

O que pode acontecer caso sejam separados antes da hora?

Além de alimentar com todos os nutrientes necessários, cabe à cachorrinha a tarefa de manter o corpo dos filhotes aquecidos durante as primeiras semanas de vida.

Após o nascimento, os cães não são capazes de manter a temperatura corporal alta o suficiente, precisando do auxílio da mãe para aquecê-los.

Além disso, a mãe é a responsável por estimular os filhotes a urinar e defecar, lambendo a região anogenital.

É durante as primeiras semanas de vida, diante do convívio com outros cães da ninhada e com a mãe, que os filhotes aprendem a se comunicar e começam a ter noção da intensidade da mordida, por exemplo.

Separá-los precocemente da mãe pode fazer com que eles se desenvolvam menos e não tenham um convívio tão bom com outros animais.

Quais cuidados ter com o filhote?

Caso aconteça a separação precoce, como em caso do falecimento da mãe ou resgate de algum filhote recém-nascido, existem alguns cuidados que devem ser tomados para preservar a vida do peludo.

A primeira coisa a se fazer é manter o corpo do filhote aquecido e procurar imediatamente um médico veterinário.

Somente um profissional poderá indicar o que fazer e como alimentá-lo da melhor forma.

Em hipótese alguma dê leite de vaca ou qualquer alimento “comum” para humanos.

Por mais que possa parecer inofensivo, pode fazer muito mal para a saúde frágil do filhote.

Agora que você já sabe com quantos dias pode separar o filhote da mãe, aproveite para conferir como conquistar a confiança de um cachorro!