Saiba mais sobre a Síndrome de Cushing em cachorros

A Síndrome de Cushing (conhecida também como hiperadrenocorticismo) é uma doença que acomete tanto os seres humanos como os cachorros.

Ela é causada pela grande produção de glicocorticoides pelo indivíduo doente.

As raças mais suscetíveis a essa doença costumam ser os poodles, terriers, dachshunds, boxers, entre outros, principalmente durante a fase sênior.

Quer entender melhor como a síndrome funciona, quais são as causas e tratamentos? Então confira tudo que preparamos para você!

O que é a Síndrome de Cushing?

Além do nome complicado, a doença em si é bastante complexa. 

Mas basicamente trata-se de um aumento considerável da quantidade de corticóide no organismo do cachorro.

Essa concentração resulta na quebra excessiva (hipermetabolismo) de lipídeos, proteínas e carboidratos.

A glândula hipófise é responsável pela produção de um hormônio chamado ACTH que estimula as glândulas adrenais a produzir glicocorticoides.

Quando o cão está com a Síndrome de Cushing, por descontrole da hipófise ou das adrenais, a produção dos glicocorticoides aumenta, causando efeitos prejudiciais ao organismo e podendo resultar em outras doenças, como a diabetes.

Quais são as causas e sintomas da Síndrome de Cushing em cachorro?

A causa da Síndrome de Cushing pode ser separada em duas partes:

Endógena: é quando o próprio organismo do animal é responsável pelo aumento da produção de cortisol, sendo que as causas podem ser tumores hipofisários ou das glândulas adrenais.

Exógena: causada por fatores externos ao organismo, como o uso prolongado ou em altas doses de corticoide, levando ao chamado Cushing Iatrogênico.

O Cushing Iatrogênico pode ser causado pelo uso oral, injetável ou até mesmo tópico (xampus, pomadas, colírios, entre outros) por tempo prolongado de produtos que contenham corticoide.

Os sintomas mais comuns, independentemente da causa, são:

  • apetite maior do que de costume,
  • dificuldade na perda de peso,
  • aumento da ingestão de água,
  • maior volume de urina,
  • distensão abdominal,
  • problemas de pele,
  • perda dos pelos (alopecia).

Contudo, a doença pode ser silenciosa no início, por isso, é essencial levar seu pet sempre ao médico veterinário para fazer um check up e ver se está tudo bem com a saúde dele. 

Como funciona o diagnóstico e tratamento da Síndrome de Cushing?

Existem alguns exames específicos que podem ser realizados, principalmente se o cachorro demonstrar algum dos sintomas citados acima.

É preciso realizar exames laboratoriais e de imagem, como:

Ainda assim, o diagnóstico pode ser difícil.

O tratamento varia conforme a causa da doença.

Quando causada por tumores, uma opção é fazer a remoção cirúrgica (adrenalectomia), mas é um procedimento de alto risco, principalmente quando falamos de um cão idoso.

Outra opção é realizar o tratamento medicamentoso que oferece baixo risco, mas pode não ser tão eficaz.

Quando causado por tumores hipofisários, o tratamento pode ainda ser realizado por meio de drogas que agem tentando suprir a síntese do cortisol.

No caso do Cushing Iatrogênico, é necessário realizar a remoção gradual do corticoide e acompanhar constantemente a evolução do quadro.

Caso não surta efeito, o tratamento será igual ao Cushing causado por tumores hipofisários.

Se você gostou de conhecer mais sobre a Síndrome de Cushing e quer ter acesso a mais conteúdos como este, não deixe de acompanhar o blog do seu.dog!